Um mundo contra o racismo e o fascismo!

Convocatória de protestos mundiais contra o racismo e o fascismo, 16 de março de 2019, dia da ONU contra o racismo

Fazemos este chamamento diante do contexto atual, muito preocupante, de crescimento do racismo e da extrema direita a nível internacional.

Os partidos de extrema direita estão avançando eleitoralmente e inclusive participam de governos. Com Donald Trump nos Estados Unidos e Jair Bolsonaro no Brasil, o ódio da extrema direita —contra mulheres, gente migrante, musulmana, negra, indígena, LGBT+, oponentes ideológicos— chegou às presidências dos dois maiores países da América do Norte e do Sul.

Cada vez há mais lugares onde existem movimentos fascistas violentos nas ruas.

O crescimento do ódio antimigrante alimenta outras formas de racismo. O antisemitismo, que deveria haver desaparecido para sempre, após o Holocausto, cresce novamente com resultados terríveis, como o ataque à sinagoga de Pittsburgh.

A população cigana ou roma também foi vítima importante do Holocausto, mas os ataques contra o povo roma se converteu na política oficial de alguns governos europeus. E a islamofobia é endêmica. As mulheres musulmanas que usam hijab, particularmente, sofrem cada vez mais agressões.

O crescimento do racismo e da extrema direita representam um grave perigo para a grande maioria da população. Nunca poderemos resolver os diferentes problemas sociais aos quais nos enfrentamos se não defendemos a unidad das pessoas comuns diante das tentativass dos racistas e fascistas de nos dividir.

Devido à jornada internacional contra o racismo, em março de 2018, houve manifestações e outras ações em muitos países, como Alemanha, Austrália, Áustria, Canadá, Chipre, Coreia do Sul, Dinamarca, Espanha, França, Grã-Bretanha, Grécia, Irlanda, Países Baixos, Polônia e Turquia.

A situação atual é mais urgente. Deve haver mais mobilizações com o ânimo das 250.000 pessoas que participaram da manifestação #Unteilbar (indivisível) em Berlim, outubro de 2018; das 250.000 pessoas contra Trump em Londres, julho de 2018; da resistência contra Bolsonaro em Brasil; das marchas e dos protestos em Viena, Áustria; da luta em Grécia, que parou o Amanhecer Dourado.

E necessitamos de movimentos amplos para continuar e desenvolver este trabalho. Somos a maioria, podemos ganhar.

Por este motivo, fazemos este chamamento para a realização de mobilizações unitárias contra o racismo e a extrema direita, no dia 16 de março de 2019, ao redor da jornada da ONU contra o racismo.

Devido à coordenação a nível local e internacional para este protesto, podemos e devemos construir vínculos mais fortes entre nós. Esta jornada de ação deve ser un passo adiante na luta coletiva contra o ódio e pela solidariedade na diversidade.

Um mundo contra o racismo e o fascismo!

Assinantes iniciais: Movimentos unitários contra o racismo e o fascismo

KEERFA (Grecia)

Stand Up To Racism (Gran Bretanha)

UCFR (Catalunya)

Comité 21 Maart (Países Baixos)

Fællesinitiativet mod racisme og diskrimination (Dinamarca)

DurDe (Turquia)

Aufstehen gegen Rassismus (Alemanha)

Ongi Etorri Errefuxiatuak (Bizkaia)

United Against Racism (Irlanda)

Zjednoczeni Przeciw Rasizmowi (Polônia)

United Against Racism and Fascism – NYC (Nueva York, EEUU)

Plattform für eine menschliche Asylpolitik (Áustria)

D.C. United Against Hate (Washington DC, EEUU)